F.A.Q


Para mim ser um Xamã é um destino, não foi uma escolha minha porque eu nunca poderia saber como ser uma xamã eu mesma. Eu considero que ser um xamã é mais do que um exercício profissional ou mais que uma simples realização de um desejo, mas algo que foi escrito nas estrelas e vem como um átomo potencializado que se estabelece nas profundezas do nosso ser. Um laser que se abre e se expande dentro e através do nosso DNA e nesse exato momento, a iniciação acontece, um processo que dura para sempre.

Minha iniciação ocorreu desde meu nascimento; como uma criança asmática e fraca, eu me tornei um ser muito solitário, muito depois eu precisei encarnar, me enraizar de volta a realidade e entender o que é a vida, compreender que eu tinha um corpo e que eu existia. Eu me casei, tive filhos e enquanto isso eu me dilacerava para absorver os ensinamentos que a vida me ofertava. Depois fui estudar psicologia na universidade enquanto mergulhava nas experiências xamânicas no Peru, nas terras Andinas... no vale sagrado dos Incas.
Todos aquele que querem se conhecer e assumir o risco de assinarem embaixo de suas próprias histórias. Estas são as pessoas que batem na minha porta e pedem para entrar, desnudos dos desejos comuns. Eles chegam imbuídos de natureza cósmica.
Sim, sou uma sacerdotisa devota da Deusa Mãe. Não pertenço a nenhuma igreja, mas me sinto uma religiosa no sentido literal do termo, religião= re ligare, quer dizer, voltar a ligar-se a si mesmo, ao seu verdadeiro campo de conexão, onde jorra a fonte permanente da sabedoria REAL.
Sim, sou psicóloga formada na Universidade Federal da Bahia (UFBa) no ano de 1989. Comecei a trabalhar bem antes de me formar.
Sim, fiz psicanálise durante muitos anos, estudei e atuei como terapeuta naturista durante 07 anos, me aprofundei no psicodrama e fiz, recentemente curso de iniciação e intermediário em hipnose ericksonianna.
De verdade pra que eu pudesse ser uma XamAM eu precisei ser uma xamã. XamAM se tornou um símbolo pra mim, um nome iniciático. Algo que me foi concedido dentro de um profundo rito de cura. Provavelmente é a união do meu destino, ser uma xamã  com as letras iniciais de meu nome de batismo,  Alba Maria.
Cronologicamente falando mais de 30 anos, miticamente falando uma eternidade.
A minha linhagem é perdida no tempo e no espaço. Descendo, fisicamente falando de caboclos, índios, negros e brancos. Sou uma mestiça que trago em meu sangue átomos e energias que me levam a caminhar em campos e tempos que me tatuam e me levam a conexões e realizações (mesmo para mim) inimagináveis. Energeticamente falando descendo de estrelas e galáxias modeladas pela energia da Deusa Mãe, minha Senhora e minha maior Mestra. Aqui na terra, representada pela mãe Natureza.
Sinto que nesse momento, o planeta exige de nós mais consciência, onde nossas escolhas precisam ser claras e alinhadas com o propósito e os talentos que nós trazemos para a vida. Na linhagem que trabalho, onde a Deus Mãe é soberana, aprendemos a desenvolver nossas intuições e nos conhecer profundamente, nossas sombras e luz e quando nos deparamos com essas forças podemos continuar de forma mais inteira em nosso destino. Sem medos, sem dúvidas.

Nosso trabalho se espalhou pela Europa, especificamente Inglaterra, Alemanha e Itália, na América do Sul, Brasil e Peru. Eu vejo que esse serviço também foi ofertado em muitas civilizações, com os Celtas na Europa, os Moches no Peru, os Sufis e nas terras antigas onde o xamanismo foi estabelecido.
Eu não sei o que estão praticando, eu sei o que eu pratico. Quando falo em Deusa Mãe estou falando da energia da compaixão, do acolhimento, da honestidade, da concepção e da fertilização. Estou falando da percepção consciente de quem somos nós e o que estamos fazendo nesse planeta. É ter a coragem de mergulhar em si e caçar-se a si mesmo/a. Perceber os jogos malditos e transformá-los em jogos benditos.
Pra responder a essa pergunta tenho que primeiro definir o que é a cura para mim.

A cura é um processo onde aquele/a que quer ser curado/a precisa inicialmente saber se quer de verdade ser curado/a, se quer mesmo, com todo seu ser ultrapassar aquele sintoma que o/a persegue. A partir daí, sinto e vejo que o caminho se estabelece dentro de um processo de compreensão e confiança  onde a primeira questão é perceber o significado do sintoma em suas várias dimensões: física, mental, social, espiritual...  estabelecido o campo de confiança e de honestidade podemos penetrar os quase insondáveis campos misteriosos de cada um/a.

Durante o processo vou, através de dinâmicas criadas por mim facilitando a que a pessoa venha a perceber seus instrumentos interiores e dessa forma promover seu próprio processo de cura.

Não identifico a cura como um milagre no sentido comum do termo, mas um milagre realizado pela compreensão profunda do sintoma, pelo campo de abertura que se estabelece no interior de cada um/a e pelo reestabelecimento em cada pessoa da confiança e da auto estima elevada. O sintoma é a matriz que promove o ser humano a ser um/a curador/a.
Muitas... Eu trabalho com a medicina da Cabana da Purificação, Busca da Visão, silêncio e meditação, com plantas de poder e medicinais, com o diálogo através dos olhos e da voz, com a arte... com a vida e morte... uma bem-aventurança e uma bênção verdadeira e imaginável.
Sim, inúmeros ritos onde a Deusa Mãe me guia e me conduz.
É um exercício de entrega e amor. É a possibilidade do encontro com o divino interior e suas inúmeras manifestações.
Moro na comunidade de Terra Mirim. Aqui eu vivo em comunhão com a natureza, ensinando e aprendendo com aqueles com quem divido esta terra e com muitos outros que chegam para serem iniciados no caminho do Xamanismo e mergulharem em si próprios. Meu foco é viver meu dia a dia de forma consciente e harmoniosa. 
Guiando, eu tento inspirar todos a liberar e colocar seus talentos no mundo para que através desse imenso processo cósmico de solidariedade, a gente possa realizar o nosso serviço nesse planeta.
Eu me dedico a trabalhar e comungar com grupos e indivíduos através da partilha dos ensinamentos. Eu aprendo a abrir mais o meu coração e alçar voos mais altos. 
Os medos são muitos. Depende da jornada de cada pessoa, mas dois deles estão sempre presentes: enlouquecer ou morrer. Eu sempre digo que loucos nós já somos pela escolha de nos conhecer em meio a um mundo tão caótico, e também nós não precisamos temer a morte física porque nós vamos experienciar ela, gostando ou não.
A escola surgiu no ano de 2015 quando foi realizado o primeiro módulo “Medicina dos Quatro Elementos”, em seguida, no ano seguinte, o segundo módulo, “ Nossos Animais Interiores” e em 2017, o terceiro e último módulo As Medicinas Sagradas”.

Surgiu de um sonho interior (que nem mesma eu sabia ter) e de inúmeros pedidos das pessoas que trabalhavam comigo, curadores/as, estudantes, seguidores/as, amigos/as e pessoas interessadas no tema.

Os estudos vivenciais se processam durante uma imersão de 40 dias a cada ano, fechando um ciclo de 03 anos. Então, durante três anos a pessoa  dedica 120 dias de sua vida para encontrar sua própria Vida.
  • Fazer com que cada pessoa possa se conhecer profundamente e  assim encontrarem seus talentos interiores e se definirem em relação ao que vieram realizar aqui na terra;
  • Reestabelecer a verdade interior de cada pessoa;
  • Mudar padrões que impedem a realização pessoal e cósmica;
  • Formar excelentes curadores/as e xamãs a fim de que possam incorporar e assumirem seus destinos  e dessa forma poderem espalhar sementes saudáveis no planeta;
No xamanismo quem dá o certificado é a excelência de seu trabalho. Ser Xamã é um chamado interior, um destino traçado pelas estrelas. A escola existe porque a maioria da humanidade perdeu sua capacidade de escutar a voz interior. Resgatando os sentidos, resgatamos nossa missão cósmica. Não tem certificado que te garanta ser xamã.
É necessário que se entenda que a escola XamAM é uma escola diferenciada, ela não segue regras de nenhuma instituição formal, aprisionada em suas próprias leis humanas.. É uma escola onde a Mestra é a inteligência cósmica, Deusa Mãe e Deus Pai em suas potencialidades adaptadas aos humanos..
Mas, se um dia eu sentir que a falta de um papel sem sentido, pode facilitar o caminho de meus/minhas estudantes, o farei.