Entrevista com a XamAM



1 - XamAM, queria que você contasse um pouco de sua vida.

Nasci do ventre de uma corajosa cabocla, mestiça de índia com branco e de um pai muito, muito bondoso. Um bastardo filho de um negro com uma mulher simples, cozinheira. Fui criada por 03 solteironas, considero-as minha moiras, aquelas que teceram comigo meu destino, me preencheram de estórias e de sonhos. Eu criança fui asmática até os 07 anos quando fui levada por uma das solteironas, minha madrinha Bebela pra ser curada por um curandeiro na fogueira de São João, um homem que morava em um local chamado Poço, Maceió, Alagoas. Dele nunca hei de esquecer, ele me curou, me concedendo o direito de brincar e de caminhar na vida com minha própria respiração, de correr, tomar picolé, ir pra praia...tenho um respeito e uma gratidão indizível por minhas velhas moiras, quero ir até o local que nasceram, na praia dos Morros em Alagoas pra sentir o cheiro da maresia, das areias brancas e da água do mar que elas tanto me falavam. Sentir o cheiro dos cabelos da minha avó, dona Mariazinha, mãe delas que me ensinou o que era o verdadeiro amor. Todas estão em outras dimensões, mas o cheiro delas é vivo em mim, suas memórias e sua proteção em mim e por mim. A influencia delas em minha vida espiritual é de uma marca tão viva, que se tornou uma tatuagem no meu ser.

Tornei-me adulta, me casei, tive filhos e recebi o chamado interior. Segui. Amo fazer o que faço, não saberia fazer outra coisa. Meu caminho é guiado pelo meu coração e nesse sentido o xamanismo é minha Historia, meu Destino. Aprendi há muitos anos a mergulhar profundamente na Natureza e a buscar nEla os ensinamentos que minha alma me ditava, a compreender que sou um ser cósmico, melhor , que somos seres cósmicos, que temos uma missão a seguir. E tudo isso sem uma visão religiosa no sentido institucional, mas uma verdadeira religião, um re- ligare com a alma, com nosso espírito superior.

2 - Qual a sua formação acadêmica. Como descobriu o xamanismo. O que significa.. Como se tornou xamã.

Sou psicóloga de formação acadêmica, formei-me no ano de 1987 na UFBA (Universidade Federal da Bahia), onde havia naquele tempo somente uma instituição que oferecia esse curso. Aprendi a organizar meus pensamentos e a entender melhor o funcionamento da psique. O xamanismo veio como uma escolha maior, eu nunca pensei em seguir esse caminho, pelo contrario pensava em seguir o caminho acadêmico e por isto fiz também a formação em psicanálise, fiz psicodrama, estudei muito a Gestalt, mas o destino me reservava algo maior e assim fui sentindo uma grande inquietude em mim e fui em busca de algo que não sabia o que era exatamente, mas sabia que quando encontrasse esse algo, a quietude me invadiria. Viajei muito e uma das viagens que considero emblemática pra mim foi minha ida a Chipre em busca do Mago de Strovolos que naquela época estava nessa vida. Depois de uma jornada muito profunda e cheia de percalços o encontrei e fui por ele recebida. Ali bebi da fonte e escutei seu dizer: “siga para o Peru, você é uma inca!” Dai tudo começou e um grande portal, pleno de outros portais se abriram diante de mim. Tudo ou nada. Fui e encontrei o que tanto buscava, sinto que refiz um link entre meus antepassados e eu mesma. E uma das coisas lindas que sinto e que aprendo a cada instante é que o xamanismo é um processo, um mergulho sem garantias e sem retorno.

3 – O xamanismo é uma religião, ou melhor dizendo, você o pratica como uma religião?

O xamanismo, da forma que pratico não é uma religião no senso comum do significado dessa palavra, nem mesmo uma seita, ele representa uma forma de vida, uma forma onde a Natureza é guia e mestra. Na linha que trabalho buscamos devocionar para a Deusa Mãe, a matriz que nos fornece vida e luz para continuar, a mãe de todas as mães e de todos os pais, mãe do Universo. Nós o praticamos como uma forma de nos reconectarmos com o Divino perdido em nós, como uma forma de compreender nossa linhagem e seguirmos verdadeiramente nosso Destino maior. O verdadeiro religare. Milagre da vida.

4- Você que viaja o mundo inteiro fale um pouco de suas jornadas, de seus sentimentos...

Eu viajo muito. Recebo convites de muitos países do mundo para falar e trabalhar com as ferramentas que acredito. Fiz trilhas onde levei inúmeros grupos a Índia, ao Peru, a Estônia, Itália...já trilhei durante muitos anos o Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, fui a Islândia, tenho grupos na Alemanha desde 1998, na Inglaterra desde 2012, realizo jornadas na Sardenha, Itália e naturalmente no Brasil. Meus trabalhos são evidentemente xamanicos com a grande finalidade que cada pessoa se conheça verdadeiramente e assim possa se libertar de crenças inúteis, sair da robotização e das ilusões criadas pela mente ignorante. Todas estas experiências são frutos de uma dedicação enorme, de grandes renuncias em relação a minha vida pessoal. Considero que são portais que necessito ultrapassar e sigo, tudo me exige muita fé, pois nada tenho que me assegure o dia seguinte, tudo é uma grande jornada no desconhecido, um mergulho em mim, mas me asseguro a cada dia que sou guiada e sempre encontro pessoas maravilhosas que me ajudam, me abrem as portas, mestres por mim muito amados/as quer ratificam minha caminhada e minha escolha. Além disso conto com meu companheiro que está comigo desde 1999 e também mergulha nesse caminho, me apoiando em tudo e se fazendo presente no meu cotidiano de forma assertiva, corajosa e pacifica.

5 - Quantas vezes casou, quantos filhos tem e quantos netos.

Eu me casei apenas duas vezes rsrsr, com o primeiro casamento fiz uma família grande, são 06 filhos, três biológicos e três trazidos por meu ex marido , estes são filhos de minha alma, seres que o destino me reservou nessa vida. Netos, tenho 07, porém convivo mais proximamente com duas delas, os outros vivem muito distantes, infelizmente, porque descubro a cada dia que é muito bom ser avó.

Do meu segundo casamento não tivemos filhos, foi uma opção nossa e principalmente minha de acolher outros filhos e filhas, vindos de outros ventres e que buscavam e buscam o caminho de se conhecerem.

6 - Alguém da família segue seus passos.

Não sei se seguem meus passos, ou se encontram seus próprios passos nos  passos que caminhei. Minha filha Minah, nascida Maria Izabel, mãe de Mani, minha neta, segue esse caminho através da arte que ela acredita, arte para o despertar, os filmes que edita, a vida que leva e o mergulho que faz na Natureza e na Fundação Comunitária Terra Mirim, local onde vivemos.

Meu filho Thyago que aos poucos foi se descobrindo pertencente a esse grande movimento.

E meus outros filhos, seguem outros formas de caminhar, mas sempre me apoiando, sempre dizendo sim respeitosamente à essa grande jornada que tenho a honra de servir.

7 – Como você vê o xamanismo atualmente no mundo?

Atualmente o xamanismo está se espalhando mais e mais, antigamente apenas locais mais nativos exercitavam essa forma de viver e de ser, hoje, é bem diferente, a ciência, através de pesquisas realizadas por cientistas sérios, desprovidos de preconceitos e  que estão na busca de si mesmas já admite o xamanismo como forma de alcançar  a iluminação interior, de encontrar a paz e o amor sem preconceitos. Quando eu comecei e trouxe o xamanismo para a Bahia era tanto preconceito, fui tão criticada, tão violentamente julgada que pensei não resistir, mas o tempo passou, eu me afirmei mais e agora  muita gente que me criticava, quer ser xamã ou então utilisar de nossos ritos e de  nossos instrumentos para a cura.